12/12/2008

2008, rock de inverno, prasbandas e mais...



Meus dias são naturalmente atribulados, tantas coisas pra fazer que às vezes estar “só” no Jornal já é quase férias. Fico distante do blog porque simplesmente não tenho a mesma disposição do ivan pra chegar em casa depois de um dia inteiro e ir pro computador - e no trabalho, nem sempre rola, como hoje. Não dá. E assim, coisas que eu queria dizer, aqui, vão ficando pelo caminho, junto com a impressão de que não dou muito valor a este espaço. Muitas vezes as palavras tão pulando faceiras na minha cabeça, lembrando "histórias de catarina" mas escapam logo depois, no meio das outras tantas...to lendo nada menos que quatro livros ao mesmo tempo – todos pra servirem de base de entrevista. Todos livros muito legais, mas dos quais acabo não falando em primeira pessoa, eles ficam nas páginas do jornal e chegam aqui em forma de matérias de jornal, graças ao ivan, porque como ele mesmo diz, eu sou uma péssima marketeira do meu trabalho... cheia de pudores e inseguranças bestas.

Quando comecei a escrever esse texto a idéia era comentar que hoje tem uma festa de um projeto que eu acho muito importante na cidade, o Prasbandas, criado pelo Getúlio Guerra. Daí, comecei a pensar em dois dos livros que to lendo, Cinco Biografias do Teatro Paranaense (vou entrevistar o autor, Ivam Cabrtal, daqui a apouco) e o Ditadura Abaixo, da Teresa Urban, pra ficar em dois exemplos de coisas boas que foram lancadas nesse ano produtivo da cidade. Em especial o da Teresa, mexeu muito comigo. Essa história é uma que me provoca imensamente.... Mas, são vários vários os assunto e depois volto nisso, porque agora quero falar de como foi meu ano de trabalho e uma das coisas mais importantes, passa por uma convivência com esse cara que falei, o Getúlio Guerra, um cara que é, cada vez mais, desse circuito da música independente de curitiba. Mas, ele atua nos bairros, coloca bandas pra tocar em praças; banda veterana junto com novas da região. Desde que soube, se não me engano via ivan e suas andanças pela internet a qual não me dedico como deveria, achei muito legal essa idéia, porque a gente, os “produtores veteranos” da cidade, concentram seus shows nos bares da região central. Por praticidade, mesmo, confesso, de minha parte.
Não sei se alguém aí notou, mas pararam os festivais de música em Curitiba – e não to falando do TIM. To falando dos “nossos festivais de música independente”; Rock de Inverno, Tinidos, National Garagem, Curitiba Calling, RG. Já tivemos 15 em um ano. E nesses últimos anos, quase todos sumiram. Se mantiveram os do pessoal da Psychobilly Corporation, ano passado teve o National Garage, do JR. A crise tá braba, mas 2008 foi um ano novamente de muitos bons discos na cidade.

Não são muitos os apoios e o povo cansa. Eu canso, o Ivan cansa, o JR cansa... o Vlad, não! Mas, eu sou birrenta e não consigo desistir de certas coisas. E por conta disso teremos Rock de Inverno em 2009. Resultado de uma das coisas mais importantes que eu e um grupo de produtores fizemos: Vlad Urban, Getúlio Guerra, JR Ferreira, André Ramiro, primeiro.
Protocolei uma carta escrita por mim, assinada também pelos produtores citados,e mais alguns, na Fundação Cultural de Curitiba, pedindo ao Fundo Municipal de Cultura um edital especificamente para produção de festivais. Já que todas as outras áreas tinham seu próprio edital com verba direta, porque não nós, que já carregamos tantas edições nas costas? E fomos atendidos. Teve gente que chiou não gostou, questionou a legitimidade, à boca pequena, mas questionou. Como assim, eu, uma cidadã não tenho legitimidade para reivindicar? Por favor....

Pois agora taí, o edital saiu e quatro projetos foram aprovados. Encerro 2008 estafada, cansada mesmo, me sentindo quebrada em muitos dias, mas com uma alegria tranquila no peito. Muito feliz porque continuo certa de que é este o caminho que temos. Agora, com mais uma certeza: temos que fazer política cultural junto. E a festa do Prasbandas de hoje vai ser também uma comemoração disso.

Sei que tem show também do pessoal do Ruído, no Wonka, e o André Ramiro foi parte importante nisso tudo. Em qual endereço for, temos razão pra festejar, porque esse edital é uma conquista muito importante. Pra mim, porque recoloca o Rock de Inverno em cena. Pra todos, porque foi criado, pode acreditar, pensando nas bandas, na produção autoral, nos produtores alternativos, em Curitiba, essa cidade esquisita e linda, onde já vivo mais da metade da minha vida. Hoje bateu essa vontade, logo cedo, de falar de coisas boas, pra contrabalancear com o cansaço e desânimo. Como disse, foi um ano bom pra Curitiba, na literatura, na música, no cinema, no teatro, nas artes plásticas. Difícil, mas bom, de muito trabalho. Mesmo com todo esse cansaço, que dá até vontade de chorar, às vezes, quero brindar 2008. Encerro o ano, não agora ainda, tranquila de ter feito algo legal. Agora, de minha parte, é pensar no Rock de Inverno, que a partir de agora está oficializado para junho ou julho de 2009.
E HOJE TEM FESTA NO BASEMENT PUB E NO WONKA!!!!! (Adri Perin)

2 comentários:

rkjazz disse...

e ae, cabeça de fósforo? pegando fogo? hehehehe. escute, red adri, apareça pra celebrar o mergulho no universo parelelo. tão convidados. bjo.

André Ramiro disse...

Adri, você é nossa referência, ao lado do mestre Ivan!
Vamos à luta!
bjokas