6/01/2010

Um Brasil diferente

Um Brasil diferente - Ensaio sobre fenômenos de Aculturação no Paraná é o livro de Wilson Martins que comecei a ler. Ele fala da formação cultural do paranense e Logo no começõ trata da paisagem. Dividido o Paraná em cinco regiões - litoral serra do mar,planaltos 1,2 e 3 -, ele comenta que o "pa raná é uma civilização de planalto".

"(...) construída por homens do interior, sem a nostalgia dos horizontes talássicos, e que preferiam, antes, a marcha demorada e pouco aventurosa através dos campos gerais, das planícieis infinitas, em que a sensação de solidão enorme só equivale à de segurança perfeita, com os olhos devassando para todos os lados a amplitude desabitada e deserta".

Tá um dia perfeito pra ficar com a cara num livro e um bom chá do lado.

"... esta civilização de burgueses e não de marinheiros. de construtores de cidades e não de aventureiros amantes do perigo e da incerteza. civilização de carteira de identidade e não do passaporte. é que o homem lhe veio, em geral, não das fímbrias de terras esmagadas entre a fronteira e o oceano, mas das tranquilas aldeias em que o ser humano se sente defendido pelo grupo;e daí uma civilização grupal, civilização de equipe, sem herois e sem extravagantes, sem solitários e sem rebeldes, e na qual, mesmo nos tempos mais recuados, é praticamente desconhecida a figura do pioneiro individual: civilização construída pelo grupo, que partiu do arado, da carroça de quatro rodas, e não do fuzil e do cavalo. "

8 comentários:

Ivan disse...

esse livro é muito bom. comecei a ler e, como muitas vezes, acabei não levando até o fim, mas lembro bem dessa parte. quando ele mostra que ao contrário da Nordeste e do RJ, a "civilização" paranaense é uma civilização de planalto, voltada pra dentro, pra si mesmo. O que explica muito do que a gente é.

adri disse...

é sempre bom tentarmos nos compreender um pouco mais. e muito do que ele fala do paraná, vale pra santa catarina também,afinal foi de lá que vim. pra mim esse tipo de livro é obrigatório. demorei pra pegar.

Ivan disse...

Se me permitem a intervenção, num certo sentido (é arriscado o que vou escrever, mas acredito nisso piamente) o interior de Santa Catarina é um "verdadeiro" interior do Paraná (há uma cidade chamada Curitibanos, e de Lages veio o Cristóvão Tezza, o mais curitibano dos nossos escritores que não nasceram em Curitiba) - enfim, se eu não estivesse fora de condições normais, talvez pudesse ilustrar melhor esse comentário... Enfim: só registro como é legal ver essas reflexões e leituras surgindo na blogosfera, e brindo a isso!

adri disse...

ivan, nasci em Curitibanos, terra do contestado, do frio, sempre coberta do branco da geada, dos pinheiros (aqui, mais chamados araucária). de lá, guardo algumas das minhas mais caras lembranças. lá me fiz gente. e são muitas as semelhanças com o paraná, para onde meus pais vieram antes de mim. São muitos os catarinas, e nas artes paranaenses em especial, que vieram, como eu e minha família encontrar seu futuro aqui, nesta que também é a terra dos pinheirais.

Ivan disse...

Pois então, Adri: não sabia que você é de lá, mas no fundo não foi nenhuma coincidência eu mencionar o município de Curitibanos. Entre os catarinenses que se radicaram em Curitiba, há os escritores Manoel Carlos Karam e Roberto Gomes, o cartunista e cronista Dante Mendonça, e certamente mais uma porção de grandes figuras. A gente precisa marcar encontros pra entrosar as gentes que se interessam nesses assuntos de cultura e história, pois tem muito assunto, coisas pra descobrir, e principalmente coisas pra seguir fazendo e pra fazer ainda mais: eu vejo isso como sinal de que a cidade, ou melhor, os habitantes pensantes dela estão cada vez mais tomando consciência de si.

Ivan disse...

não por acaso, sou natural de Paranavaí (Noroeste do PR) filho de catarina de Lauro Müller. não é a toa que dizem por aí que Curitiba é a maior cidade de SC. a última vez que ouvi falar, estimava-se que 120 mil catarinas viviam por aqui. tanto que acabei casando com uma (rs). será sina? rs

Ivan Santos

Ivan disse...

Ivan, meu xará: esses dias ouvi um "catarina" (na acepção carinhosa da palavra) dizer que SC tem duas capitais: Curitiba e Porto Alegre...

Desde o Rock de Inverno feito no Cine (foi o 3 ou o 4? eu sou atrasado e esquivo, feito o típico curitibano...) - enfim, faz um tempo acompanho aqui e ali a atuação de vocês, no jornalismo e na agitação cultural.
Tentando carregar o mínimo de ranço de bairrismo, penso que já estamos mais que na hora de aglutinar a produção e o "mercado de bens simbólicos" aqui em Curitiba: e penso que isso só vai acontecer mesmo quando conseguirmos estender pontes, influenciar e sermos influenciados pela região toda, principalmente o interior do PR e de SC... Enfim, tem muito pano pra manga -- vamos manter contato!

Panda disse...

Nossa, Adri! esse parágrafo que vc citou me lembrou muito Os Sertões de Euclides da Cunha... essa descrição geográfica e o impacto da paisagem na construção da identidade.