5/23/2010

Um show pra voltar pra casa de pernas bambas


Sou muito emocional. E isso também na minha relação com as bandas que curto. Tem aquelas mais próximas e as que não conheço os autores. Com as bandas de Curitiba que eu gosto, a relação fica ainda mais forte. E uma dessas, muito próximas, é a Criaturas. Não somos amigos que se visitam, que conhecem as casas um dos outros, mas quando nos encontramos é sempre como se fosse. Na última quinta, não foi diferente. Era o único show de lançamento do disco de Xanda, Bruno e Caetano – que contaram com o apoio de um guitarrista bem bom (pô, desculpe, não sei o seu nome...)
Bom, as músicas eu conheço todas, ouço esse disco antes dele ficar pronto. E, já sabia disso, não era a única que sabia cantar todas, entre as pessoas que lotaram o James Bar. “Águas Passadas”, “Gato por Lebre”, “Serenata”, “Tábata” e todas as demais canções que me fizeram chamar a banda de Criaturas grudentas. E que grude bom é este que faz com essas canções fiquem coladas não só em mim. Num tempo de tantas cantoras surgindo no cenário nacional, me espanta que, outra vez, o restante do Brasil não conheça uma das melhores, senão a melhor entre todas elas: a “óóóótima” Xanda Lemos.
E não é só porque a Xanda tem charme de sobra e roube quase toda a cena, toda vez que sobe ao palco. Não é só porque ela é uma verdadeira “front woman” do rock nacional. Talvez também porque ela sabe como poucas transformar em música o que acontece em sua vida. Porque ela tem uma voz linda que, sendo doce e suave, não perde um tico da força que colhe dentro de si mesma (e nos outros também) em prol de poses vazias como as que se vê em pessoas que não tem o mesmo brilho.
A Xanda não precisa fazer força alguma, é a impressão que se tem.

"deixa eu fumar o meu cigarro em paz/não queira me encher o saco/deixa eu tremer pór toda vida/ deixa eu beber se isso me acalma/e se eu te faço mal é engraçado/a minha indiferença agora é o que restou/e seu ainda ontem não fui nada/hoje eu serei o que não sou/eu faço de conta que nada aconteceu/ as mágoas são águas passadas/ eu peço perdão para o menino meu/ as mágoas são sempre cantadas".

E põe toda sua vida no palco, pra cantar e tocar pra gente. Deve ser isso que faz a diferença. E, claro, ter ao lado uma dupla fiel. E, pra completar, o som no James tava perfeito. Deixou o resto pras duas bandas. Mordida, igualmente matadora. Se eles vão conseguir imagens pra fazer o clipe é outra história. Tinha tanta gente no bar que não sei não, se o sucesso dessa vez não vai atrapalhar... Como com a Criaturas, teve coro o tempo todo.
E as duas tiveram a participação da Tati Lemos, que fez parte das duas formações em seus começos. E com as duas formações, pra meu (nosso, eu sei) imenso orgulho e alegria, participou de duas edições do Rock de Inverno. No 3, com a então pouco conhecida Criaturas, no porão 92; e no Rock de Inverno 5, no Cine, com a Mordida. Nunca mais tinha visto a Tati - e não consegui falar com ela na quinta, mas foi tão legal vê-la cantando com essas duas bandas que fazem parte da vida dela - e da nossa, também, né. Afinal de contas, não são poucas as vezes que a gente coloca Mordida em alto e bom som pra dançar no meio da sala. Do mesmo jeito que são muitas as vezes que me pego cantarolando dentro do ônibus as canção das Criaturas...

"beibe, abra ao menos a janela/ isso não passa de uma serenata de meia tigela/ beibe, faça alguma coisa comigo/eu não vou querer me cuidar/já perdi a noção do perigo" (...)

Foi uma daquelas noites mágicas, perfeitas. Daquelas de voltar pra casa com as pernas bambas e sentir o efeito ainda no dia seguinte. E no outro.
Pena, é um show só, e eles já estão voltando por States. E nós vamos ficar aqui esperando outro show desses, arrebatador, pra gente poder atrapalhar bastante a (o) vocalista, querendo decidir repertório e insistindo em cantar tudo junto. Só pra depois poder levar pra casa mais boas lembranças e ficar ouvindo aquela canção até no silêncio. (adri)

3 comentários:

Ivan disse...

Ótima postagem, Adriane! Essas duas bandas mereceram mesmo, e eu estou até agora assimilando os abalos sísmicos desse show.

Aproveito pra complementar que o guitarrista convidado das Criaturas chama-se Du Gomide, e ele realmente foi o músico-revelação da noite (eu também não conhecia) -- o "violino" que ele fez em Homem-Mosca foi perfeito,
e dá pra conferir aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=EIVpdd92ZE8

e tem mais:

http://www.youtube.com/watch?v=dqEV3imB7oU
http://www.youtube.com/watch?v=C6aO2t63Fzg
http://www.youtube.com/watch?v=LAIVTbZkOMw

(agradecer ao Lucas Carstens, que postou tudo no youtube e linkou no orkut)

P.S. Acompanho esse blogue sempre que posso, e vou linkar, porque até ando recomendando vocês por aí! Valeu?

adri disse...

legal Ivan, valeu pelos complementos. vou ver o blog que vc comentou.

Panda disse...

Valeu, Adri!!! Bom te ver hj!!! 2011 tem mais... hehehe
Bjos